O que é o amor?

Para ser capaz de amar o outro é preciso ser capaz de amar a si, pois ninguém dá o que não tem. Nem espaço, nem amor, nem respeito. Por isso, vamos falar do amor por si mesma, amor próprio, ou autoamor.

Seja lá qual for o nome, este sentimento, esta forma de afeto é uma das causas da nossa carência abismal em relação à vida e altamente projetada no outro.

Ao dar espaço e paciência a nós mesmas, entendemos a forma como podemos expandir isso ao outro na sua totalidade e não em partes.

O autoamor não foi nos ensinado por ninguém. Essa é uma daquelas lições que aprendemos sozinhas. Geralmente, quando a ficha cai como resultado do processo doloroso de uma busca do que sempre procuramos fora porque nunca soubemos que era para olhar para dentro.

Ações e atitudes amorosas voltadas para o próprio ser podem garantir muitas coisas, entre elas um tempo-espaço para si, em que você sai do profano e começa a se sentir sagrada. Você sabe que chegou lá, que entendeu por sentir esse amor circular por seu corpo, entrar e sair por seus poros e pulmões e pulsar em seu coração.

Amar-se é sentir-se bem em sua própria companhia. É ter afeição por si (segredo: e quando isso acontece é automático também ter afeição pelos outros!). É desenvolver o afeto, aquele mesmo que nos faz querer estar perto do outro para cuidar, proteger e desfrutar da companhia. Isso é possível também conosco.

Você atende suas próprias necessidades de forma amorosa? Ou você acabou de notar que é mesquinha com você mesma, se mantendo há anos em uma dieta rigorosa de autoamor, vivendo sem realizar ações de afeto com você mesma?

Você se critica por viver a própria rotina que estabeleceu? Seja queixando-se do trabalho ou do relacionamento. E viver reclamando é autodestrutivo, ao fazer isso você produz a sua dose diária de veneno, que você mesmo toma… Além de contaminar o ambiente e a vida dos outros.

Autoamor é apaixonar-se pela pessoa amada, querida, agradável, com quem se quer estar e essa pessoa ser você. É sentir adoração pelo jeito que se é. É ter zelo e dedicação, agora consigo, por seu corpo, por seu jeito de pensar. Isso porque devoção e adoração por ser quem se é não é só manifestação de amor, também de autorrespeito.

Sentir amor é o estado de graça e satisfação.

O que te traz satisfação? Mas fale isso de uma forma que dependa de você, responsabilize-se.

  • Quanto você se protege, se cuida e desfruta de sua própria companhia?

  • Que ações você toma para demonstrar isso a você?

  • Quais ações você toma para mostrar seu zelo e sua dedicação a você mesma?

  • Quantas ações amorosas você faz para você no seu dia a dia?

Responder a essas perguntas é um bom termômetro de seu autoamor.

Reavaliar é preciso.

Compartilhe

Tais Caldas

Sou Tais Caldas, idealizadora e facilitadora do Programa Círculo Feminino. Desenvolver grupos de mulheres interessadas em autoconhecimento, resgate de autoestima e redescoberta do prazer na vida. Possuo Capacitação em Saúde e Educação Sexual pela ABRASEX – Associação Brasileira dos Profissionais de Saúde, Educação e Terapia Sexual. Além disso, crio arte em aquarela e sou uma amante da aromaterapia, sendo esses meus hobbys. Formada em Relações Internacionais pela PUC-SP e pós-graduada pela Unesp. Atualmente estou em minha segunda graduação, em Psicologia.

Deixe uma resposta