Plante a sua Lua: entenda os ciclos e a prática

Plantar a Lua é uma tradição muito antiga em que as mulheres entregam seu sangue menstrual para a terra. Esse sangue está cheio do que chamamos de células estromais – as melhores que temos em nosso corpo – que vão nutrir o embrião e o feto para se transformar em um lindo bebê futuramente.

A menstruação é o produto final de um ciclo e o nosso corpo se esforça para produzir o melhor que pode. Assim, esse sangue – por sua importância biológica e pelo encerramento de um ciclo -, é considerado sagrado. Parece confuso, não é? Mas vamos explicar.

Ao entregar a sua menstruação – ou a “sua lua”-, entrega-se o que temos de melhor no corpo, com toda a informação hormonal e a nossa genética. Então, a mulher começa a se conectar com a energia do Planeta Terra – cientificamente chamada de energia telúrica. Essa energia é formada por forças que não conseguimos ver, mas existem (assim como o eletromagnetismo da Terra, a força da gravidade que nos mantém no chão e tantas outras leis da física).

O planeta Terra tem todas as informações de todas as entidades vivas, sendo um catalisador que está em harmonia com tudo o que acontece no mundo. E colocar o sangue na terra é se conectar com todos os ciclos da Terra e da vida. Pessoas ligadas aos povos tradicionais afirmam que a energia da “Mãe Terra” reconhece toda a informação genética recebida e reconhece tudo o que estamos precisando.

Inclusive muitos médicos, atualmente, sugerem que as pessoas caminhem descalças pela terra para ter conexão direta a fim de superar situações de estresse, Jet leg (alteração do ritmo biológico), e outras doenças. Isso porque nós conseguimos descarregar a energia pelos diversos canais pela planta dos pés.

Essa não é somente a forma mais direta de se conectar com toda a informação, mas esse sangue serve como adubo , beneficiando as plantas com seus frutos, flores e ervas.

Esse contato com a natureza, essa troca de energia, torna-se ainda mais profundo com a entrega do sangue menstrual. Liberamos toda informação que carregamos, do que somos e de tudo que se passou conosco naquele ciclo. Essa não é somente a forma mais direta de se conectar com toda a informação, mas esse sangue serve como adubo que vai beneficiar plantas, frutos, flores, e ervas.

Esse ritual ajuda com que nossa informação genética se reconheça como uma informação do planeta. Assim, a terra sabe como estamos e ajuda a tirar aquilo que não é preciso. E isso também promove a cura da linhagem feminina.

Outra curiosidade: quando os corpos morrem geralmente se entrega para a terra que fica com toda essa informação de todos os seres que já foram. Assim, é também uma forma de nos harmonizarmos com nossa linhagem – colocamos aquelas células dentro da terra.

Há casos reais de mulheres que pararam de ter dores da menstruação, TPM e a ter menos fluxo a partir do momento que começaram a “plantar sua lua”. É só colocar e devolver à mãe natureza – não precisa ter rituais, somente se você quiser.

Seja uma cientista com o seu próprio corpo. Se permita tentar e realizar as mudanças, e veja em si o que acontece. Inclusive para mulheres ligadas ao mundo empresarial, não tenham receio.

Se quiser saber como fazer, você pode baixar o nosso e-book 🌛 “Plantar a Lua (sua menstruação) – O Guia Completo” que irá te ajudar no passo a passo.

Para mais informações e dúvidas entre em contato com o nosso Círculo Feminino Tais Caldas através do e-mail: taiscaldas@circulofeminino.com.

Compartilhe

Tais Caldas

Sou Tais Caldas, idealizadora e facilitadora do Programa Círculo Feminino. Desenvolver grupos de mulheres interessadas em autoconhecimento, resgate de autoestima e redescoberta do prazer na vida. Possuo Capacitação em Saúde e Educação Sexual pela ABRASEX – Associação Brasileira dos Profissionais de Saúde, Educação e Terapia Sexual. Além disso, crio arte em aquarela e sou uma amante da aromaterapia, sendo esses meus hobbys. Formada em Relações Internacionais pela PUC-SP e pós-graduada pela Unesp. Atualmente estou em minha segunda graduação, em Psicologia.

Deixe uma resposta