Saúde da mulher, consultoria materna e ginecologia natural: aproximando-se da natureza

Consultora materna conversa com o CF sobre sua profissão.

Por GiGi Wolf

Lucimara Guimarães, terapeuta e consultora, possui formação em obstetrícia e no decorrer dos anos se encontrou na área da ginecologia natural. “Depois que me formei na universidade em 2016, sentia que algo me faltava, até conhecer a ginecologia natural”, explica. Apesar da idade – 25 anos – Lucimara traz uma linda bagagem de histórias, relatos e aprendizados. Confira a LIVE realizada com a consultora no Círculo Feminino Tais Caldas.

Após sua formação no curso de Obstetrícia da Universidade de São Paulo (USP), Lucimara iniciou sua jornada na área da saúde da mulher. Principalmente, na atenção à gestação, parto de baixo risco e puerpério.

“Podemos atuar em maternidades, casas de parto, centros de parto normal. E também em ambulatórios, consultórios, unidades de saúde, domicílios e em instituições de saúde públicas e privadas. E, claro, trabalhar com ensino e desenvolvimento de pesquisas”, explica.

Fazer o que você gosta é liberdade.Gostar do que você faz é felicidade. (Frank Tyger)

Com o tempo, Lucimara percebeu que o conhecimento adquirido na obstetrícia serviu como alicerce para seu trabalho com a ginecologia natural. “Percebi que minha missão era muito mais do que atuar com as gestantes. É um trabalho lindo, mas fui encaminhada para cuidar das mulheres. Desde então, sigo no estudo das ervas medicinais e das suas indicações na área da saúde da mulher”, explica. Confira a entrevista que o CF realizou com Lucimara Guimarães:

CF: Lucimara, conte-nos sobre seu trabalho como Obstetriz e sobre a consultoria para gestantes e casais.

Lucimara Guimarães: Após a minha formação, comecei a trabalhar com o serviço de consultoria materna. Junto com uma colega também Obstetriz, Jessica Carvalho, idealizamos a Flor de Vênus – Consultoria Materna. Esse serviço consiste em auxiliar e orientar as mães e os pais durante todo o período da gestação. A consultoria é personalizada, de acordo com a necessidade de cada família. Ele consiste em avaliações que incluem:

– Pré-natal: pesagem, medição da altura uterina, aferição da pressão arterial, ausculta dos batimentos cardíacos do feto, etc.;

– Consultoria em aleitamento materno: esclarecimento de dúvidas, identificação das dificuldades, orientação sobre pega correta e outros dilemas da amamentação;

– Cuidados com o recém nascido: auxílio para o banho, cuidados com o corte umbilical, técnicas para acalmar, massagem infantil (Shantala);

– Acompanhamento pós-parto: é oferecido apoio e esclarecimento de dúvidas e auxílio em assuntos da nova rotina.

CF: Quais são os tipos de parto e em qual situação são recomendados?

Lucimara Guimarães: Existem dois tipos de parto, o normal e a cesárea, e várias formas de nascimentos. O parto normal – conhecido como vaginal – é indicado para mulheres que tiveram um pré-natal sem nenhuma intercorrência grave. É o que chamamos de parto de baixo risco, ou risco habitual.

Já a cesárea é recomendada nos casos em que um parto vaginal colocaria a mãe ou o bebê em risco. Por exemplo: o bebê está transverso – não está na posição correta de nascer -, a placenta está localizada sobre o colo do útero, dentre outros fatores.

CF: Por que preferir tratamentos naturais à remédios alopáticos no tratamento ginecológico?

Lucimara Guimarães: Os tratamentos naturais são muito antigos e, para mim, essa é uma maneira de conhecermos o nosso corpo e nos conectarmos com a natureza, de onde provém toda a medicina. Quando uma mulher me procura para se tratar com auxílio da ginecologia natural, no caso de uma irregularidade menstrual por exemplo, primeiro ela vai entender toda a anatomia do útero. Em seguida, a fisiologia do ciclo menstrual, para mais tarde juntas escolhermos o tipo de tratamento ideal. Este tratará o físico e também o emocional. Isso porque tudo está interligado. Enquanto que um remédio alopático trata somente o desequilíbrio físico. Claro que, em alguns casos, o tratamento convencional é importante.

CF: Lucimara, você frisa muito a importância da presença paterna na gestação, por quê?

Lucimara Guimarães: Considero muito importante a presença do homem em todo o processo de gestação. E, inclusive, no parto! A fim de que ele se sinta fazendo parte daquele momento de forma ativa. Antes, os homens eram mantidos fora desse processo, que era tido como algo estritamente feminino. Porém, os tempos estão mudaram e os homens querem cada vez mais participar desse momento tão especial. Assistindo ao nascimento do filho ou da filha, eles se sentem mais incluídos e incentivados a participar dos cuidados com o bebê desde o início.

É muito importante para ele e ela saberem juntos como ocorre o parto para os dois estarem seguros no momento do nascimento. Transmitir todo esse conhecimento para o homem é um dos nossos serviços – consultoria para casais grávidos.

CF: Agora sobre a menstruação. Qual a sua visão e como fazer com que as mulheres tenham uma outra visão sobre esse momento?

Lucimara Guimarães: Na minha opinião a menstruação é um momento de limpeza de ciclo. Um momento que mergulhamos dentro de nós mesmas para saber o que precisa “ser limpo”.

Nós mulheres somos cíclicas, assim como a lua, como as plantas e todo mês “morremos” para renascer novamente em outro ciclo e o mais bonito de tudo: florir.

Ao sangrar, transmutamos tudo aquilo que precisa ser renovado. Temos a oportunidade de refazer o que não deu certo e sonhar. Quando as mulheres entenderem o que, de fato, significa a menstruação e o ciclo menstrual – tanto fisiologicamente quanto energeticamente – a visão delas sobre este assunto se transforma. Infelizmente, vivemos em uma sociedade em que menstruar é considerado nojento. Nós mulheres temos que estar todo o tempo produtivas e belas. Mas, não é assim que o nosso corpo funciona. Precisamos viver de acordo com a ciclicidade, respeitando nossos limites, aceitando o nosso ritmo.

CF: Qual é a principal questão que você mais atende sobre a saúde da mulher?

Lucimara Guimarães: O trabalho que realizamos na Flor de Vênus é todo voltado para o ciclo vital feminino. Na parte da consultoria, as dúvidas sobre o aleitamento materno têm crescido muito. Estamos em um país em que as taxas de cesarianas sem indicação real são imensas, e a mulher já sai da maternidade com uma receita de fórmula para o bebê. Precisamos entender que a amamentação é muito mais que uma fonte de alimento.

Já na parte de ginecologia natural, a maioria das mulheres que procuram o serviço é por causa da candidíase. Esta é uma infecção vaginal cada vez mais comum entre as mulheres, que tem muito a ver com a questão emocional. Mais um reflexo das infinitas cobranças de de nossa sociedade atual.

CF: Você tem alguma dica de ervas para os momentos da menstruação? Melhorando, assim, a qualidade de vida das mulheres.

Lucimara Guimarães: O escalda pés com camomila, erva doce, lavanda e sal grosso. Antes de

dormir ou depois daquele dia estressante no trabalho, faça o seguinte: separe um momento em que você possa se enrolar em um cobertor, ouvir uma música que gosta, e coloque seus pés na água quentinha com essa mistura até a altura dos tornozelos. Feche os olhos e tenha um momento só seu. Tenha algo em torno de 20 minutos dedicados ao autocuidado e ao relaxamento. Se quiser acompanhar com um chá, busque ervas que te acolham e busquem força. Adoro a Camomila, uma erva feminina com puro amor. Dessa forma, você faz de seu corpo uma casa de bons sentimentos!

Compartilhe

Tais Caldas

Sou Tais Caldas, idealizadora e facilitadora do Programa Círculo Feminino. Desenvolver grupos de mulheres interessadas em autoconhecimento, resgate de autoestima e redescoberta do prazer na vida. Possuo Capacitação em Saúde e Educação Sexual pela ABRASEX – Associação Brasileira dos Profissionais de Saúde, Educação e Terapia Sexual. Além disso, crio arte em aquarela e sou uma amante da aromaterapia, sendo esses meus hobbys. Formada em Relações Internacionais pela PUC-SP e pós-graduada pela Unesp. Atualmente estou em minha segunda graduação, em Psicologia.

Deixe uma resposta